Como evitar o endividamento excessivo?

Postado em por brenda

endividamento simpay

Com a crise provocada pela pandemia de coronavírus, um grande número de pessoas viu a sua renda profissional cair, resultando em um aumento acentuado do risco de endividamento. Além disso, a falta de conhecimento na hora de gerenciar as finanças ainda é um grande problema na cultura brasileira.

O resultado desse cenário é que, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em agosto de 2020, o endividamento das famílias brasileiras atingiu seu maior patamar em mais de 10 anos, e em termos percentuais, subiu para 67,5%.

Embora o contexto da pandemia traga complicações, uma coisa é possível resolver: aprender a gerenciar melhor o seu dinheiro. Para isso, é importante entender o que é endividamento e como evitá-lo.

Endividamento não é inadimplência

Endividamento financeiro é quando você tem parcelas a vencer de compras ou crédito. Isso inclui financiamentos e empréstimos. Isso significa que, ao parcelar uma compra no cartão, você já está endividado, mesmo que esteja em dia com as suas contas.

É importante que isso esteja claro porque ainda é comum confundir endividamento com inadimplência, quando a pessoa não pagou as suas contas no vencimento. Portanto, estar endividado não é uma coisa ruim e nem fora do normal. 

Isso enquanto suas contas e parcelas estiverem sob controle. Do contrário, o seu pequeno endividamento pessoal pode se transformar em inadimplência.

Então, qual é o problema?

Em muitos casos, o endividamento chega a comprometer metade da renda familiar. Isso significa que metade do que você ganha é direcionado para pagar parcelas, seja do seu cartão de crédito, do seu empréstimo, ou de outras formas de dívidas. Segundo dados do CNC, essa é a realidade de 22,1% das famílias endividadas.

Isso significa viver com o orçamento apertado e sofrer com o risco de inadimplência. Para evitar problemas, o ideal é manter o comprometimento com dívidas em, no máximo, 30% da renda familiar.

Não conseguir lidar com as parcelas pode se tornar um grande problema. Afinal, o seu acúmulo de dívidas e o nível de dívidas no país faz a taxa de juros ficar maior, tornando mais caro e mais difícil conseguir crédito. 

Além disso, se não for possível renegociar ou o devedor não se interessar em fazer uma acordo, pode-se chegar ao ponto da perda de patrimônio, de multas punitivas e até da tomada de medidas judiciais.

5 dicas fáceis de seguir para evitar o endividamento

A educação financeira está na base de tudo.

Hoje ficou mais fácil realizar grandes compras com ajuda do crédito. O problema é quando o consumidor começa a realizar compras sem planejamento prévio de acordo com os recursos. É essa falta de controle que leva ao endividamento excessivo.

No entanto, você pode ser uma pessoa que pensa muito bem antes de dar qualquer passo e, ainda assim, cair na armadilha. Afinal, você também pode perder o emprego ou ter que lidar com algum imprevisto financeiro, como um problema no encanamento da sua casa. Portanto, é preciso manter suas finanças em ordem e estar preparado para a desordem.

Veja 5 dicas que podem te ajudar:

  1. Coloque tudo no papel

Para muita gente o papel já é coisa do passado, porém anotar o quanto você ganha, quanto gasta e no que gasta é de extrema importância. Portanto, não se atenha a natureza do papel: ele pode se tornar uma planilha no Excel, um aplicativo de controle financeiro ou até um papel de verdade.

A chave está em conhecer o seu orçamento e não perder o seu dinheiro de vista.

  1. Não gaste mais do que ganha

Essa dica é clássica, porém os clássicos nunca saem da moda. Se você ganha R$2.000 por mês, por exemplo, deve tomar cuidado para que as suas parcelas mensais nunca excedam esse valor, pois você não terá como pagar simplesmente com o seu salário e se colocará em uma situação complicada.

Como falamos anteriormente, o ideal é que suas dívidas não ultrapassem 30% do que você ganha. Portanto, no caso de uma pessoa que recebe R$2.000, o ideal é que suas dívidas não ultrapassem R$600.

  1. Preveja imprevistos

Você pode não saber o que vai exatamente acontecer amanhã, mas você sabe que tudo pode acontecer. Afinal, carros quebram, canos entopem, crianças caem e pandemias param o mundo de uma hora para outra.

Para um bom planejamento financeiro, é importante contar com o acaso. Assim, vale o esforço de criar uma reserva de emergência e dormir tranquilamente, pois o você do passado já tem tudo sob controle e preparado o você do futuro.

  1. Planeje suas compras

O hiperconsumismo é uma realidade no mundo de hoje, principalmente após a pandemia de coronavírus. Sem oportunidades de lazer e diversão fora de casa, muitas pessoas encontraram nas compras online uma forma de recompensa pelo árduo dia de trabalho. 

Temos certeza de que você merece o novo cortador de grama que vem admirando nos últimos dias, mas não compre por impulso. Analise o custo-benefício, pergunte-se “eu preciso disso agora?” e verifique o orçamento que você colocou no papel na dica 1. O seu orçamento disse que tudo bem? Então divirta-se com consciência!

  1. Fuja de soluções fáceis

Caso a situação esteja se complicando, cuidado: não caia em armadilhas de crédito fácil ou aceite negócios suspeitos. 

Analise a taxa de juros, o Custo Efetivo Total e compare os valores e condições entre diversas instituições. Além disso, tenha cuidado com os golpes que chegam nas suas redes sociais, e-mail, mensagens ou pelo telefone. Se parece bom demais, desconfie.

E, se tiver dúvidas, não fique com elas para si. Converse com família, amigos e com quem mais você confiar. 

Você não está sozinho nessa!

Cuidado com os hábitos

Muitas pessoas que conseguem sair de situações apertadas acabam eventualmente retornando aos velhos hábitos após conseguirem lidar com suas dívidas, criando um endividamento cíclico.

Sair das dívidas não é uma desculpa para se comportar da mesma forma e voltar a elas. Portanto, invista em novos hábitos. Faça o seu orçamento e aprenda a seguí-lo de verdade, não faça compras por impulso e lembre-se de pensar no futuro.

Ao administrar suas finanças com cuidado e atenção, você pode ter uma vida financeira mais saudável e pode até mesmo descobrir um dinheirinho sobrando no fim do mês.

Postado por: brenda

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Leia também: